<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15754125\x26blogName\x3ddaquilo+que+vibra\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://doverbovibrar.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://doverbovibrar.blogspot.com/\x26vt\x3d2615184620448930177', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

daquilo que vibra

poesia, opinião e devaneios; ou tudo isso junto e temperado

terça-feira, dezembro 27, 2005

E Feliz Ano Novo então!


O texto abaixo é ótimo, não me identifico com tudo mas achei uma boa. Foi extraído do "Manual para moças em fúria" que veio com a revista TPM de dezembro do ano passado. Ele tem um estilo HQ, com ilustrações bem legais e mostra o universo feminino de uma menira bem...humm, punk, digamos. Foi feito pelas jornalistas Jô Hallack, Nina Lemos e Raq Affonso.
A idéia é essa, deixe para trás os assuntos, poses, mesquinharias e todos que se meteram na sua vida em 2005. Claro que em 2006 terá mais gente louca, e chata, e legal, e amorzinho, mas reciclemos tudo e boas vindas para o Ano Novo!!


Assuntos que não aguentamos mais ouvir

Quando éramos crianças, morríamos de tédio quando parávamos em uma rodinha de adultos. Hoje, que somos adultas, continuamos morrendo de tédio quando paramos em uma rodinha de adultos. Tá, muitos são legais e nossos amigos.
Mas o que acontece é que muitas vezes os assuntos virão conversas burguesas, insignificantes e tediosas. Em mais um momento de fúria, decidimos fazer uma lista de assuntos tabus. Na verdade eles não têm nada de tabu. Por isso são chatos.

1 - Ioga Fazer ioga é incrível. A gente até faz de vez em quando. Agora, esse assunto virou tipo uma mania moderna nacional. Essas pessoas usam a ioga para ficar mostrando que são tão zens quanto a Madonna. Acontece que essas filosofias todas pregam o desapego e a não vaidade. Fora que esse assunto é muito chato. Dane-se que você já sabe fazer o shatanagashiva. Fora a patrulha da ioga, com o mundo inteiro dizendo que você tem que fazer, apesar de você nem conseguir colocar a mão no chão.

2 - Médicos Alternativos Que ótimo que você cuida de si mesma! Mas falar que "parou de comer carne porque dá prisão de ventre" no meio do almoço é no mínimo deselegante.

3 - Patrulha da análise Tudo bem que você adora Freud e acha um superinvestimento gastar R$ 150 em uma hora de conversa. Mas querer convencer todo mundo de que fazer terapia vai mudar a sua vida é uma chatura. Ainda mais quando a pessoa fala "você precisa", como se você fosse uma louca.

4 - Decoração em geral Falamos muito sobre isso. Agora mesmo está havendo uma discussão sobre o site da Marie Claire Maison. Acontece que quem fala disso fica tipo viciado. Como a gente que agora não consegue mudar de assunto. Pronto, mudamos, voltamos a falar sobre terapia.

5 - O exterior As pessoas amam demonstrar como são íntimas de países estrangeiros, pois já foram pro Sudão sete vezes. Adoram comentar sobre uma certa lojinha do SoHo, conhecem tudo sobre os arredores de Londres e contam como se beneficiaram da milhagem, objetivo que nunca atingimos (só conseguimos milhagem do ônibus 1001 Rio-São Paulo). Claro que viajar para a gringa é ótimo. Mas quando a gente vai parar de ser tão colonizado?!

quarta-feira, dezembro 21, 2005

O ano terminará igual

Eu fiz este artigo para a cadeira de Redação jornalística III.
E bem na real, é isso aí.
Só não meti mais o pau porque tinha que entregar à professora.
Sabe como é, jornalismo impessoal, nem que seja um pouquinho, hehehe.

O jogador de futebol Edmundo, o Animal como é conhecido, recebeu voz de prisão da polícia, na zona sul do Rio de Janeiro, por desacato à autoridade e por estar guiando bêbado. Ele saiu de uma boate com uma amiga nesta madrugada e entrou em seu carro para voltar para casa. Os policiais pediram para ele descer do automóvel, mas o jogador resistiu à ordem. Pelo depoimento da amiga, Edmundo disse que aquilo era uma palhaçada e que não iria descer do veículo. Acabou sendo levado para a delegacia onde prestou depoimento por toda manhã de hoje e pagou uma fiança de R$ 3 mil. O jogador vai responder em liberdade ao processo por desacato à autoridade e direção perigosa.
Quantos casos acontecem todos os dias de pessoas que dirigem alcoolizadas? Muitos. É quase normal o descaso com isso. Assistimos a tantas campanhas, não só contra dirigir embriagado, mas contra a AIDS, a prevenção de tantos cânceres, campanha contra a fome, é muita publicidade que cresce em cima desta “preocupação” mídiática em agir corretamente, com ética. Mas o que está sendo posto em prática? Pouco. É fim de ano, Natal, e encerramos 2005 com os mesmos acontecimentos de muitos anos passados... Uma celebridade, como o jogador Edmundo, comete uma infração - nada sério comparado a realidade criminal que o nosso país vive - e ele é exibido como prêmio nos jornais do dia seguinte. Por que com ele a campanha deveria fazer efeito, e se não fez, a nossa polícia soube dar a lição necessária. Mais um que a polícia brasileira tentou subornar enquanto deixou de fazer o seu trabalho. Mais um ano que vai acabar. Bem parecido com o Brasil de ontem, não acham?

quinta-feira, dezembro 15, 2005

Passou


Basta ele abrir um sorriso...e tudo está resolvido.
Tudo.

quinta-feira, dezembro 08, 2005

Salve F. Jorge!


Salve Frank Jorge! Porque a tietagem comeu solta!
E uma salva de palmas ao Conjunto 51!!
Tudo e mais um pouco no backstage da festa de encerramento da 51ª Feira do Livro de Porto Alegre. Dani Krugão, eu, Frank e Mine no Opinião.
Ah, e lá atrás as cevas e os refris que os chinelões saquearam. Que barbaridade.