<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15754125\x26blogName\x3ddaquilo+que+vibra\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://doverbovibrar.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://doverbovibrar.blogspot.com/\x26vt\x3d2615184620448930177', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

daquilo que vibra

poesia, opinião e devaneios; ou tudo isso junto e temperado

quarta-feira, maio 03, 2006

Palavras para ler nem sempre falam


O ser humano escreve porque questiona
A aceitação se faz quando as coisas tornam-se simples, com equilíbrio
E aí não precisa dizer nada
Quando não sabemos, gritamos, perguntamos
Se calamos a voz, ligamos o pensamento
Mas não há aceitação, há divagação que pode virar escrita
E tantas palavras para ler,
tanta poesia, tantos ensaios e mundos fantásticos que cabem no papel
Enquanto um gesto pode silenciar tudo

Existem momentos em que não sabemos dizer nada,
mas no papel pode nascer um universo
Há cenas que não temos como contar,
mas quando escritas podem passar o mesmo arrepio que sentimos na barriga
Há imagens que nos tocam da mesma maneira
Mas têm coisas que só podem ser vividas e nada mais
Nem uma foto, nem um livro, nem um filme ou uma canção
podem nos mostrar algumas raridades que a vida apresenta

E estas coisas que só podem ser "entendidas" se vividas
são tão simples e perfeitas que quem não passa
por estas experiências nunca irá sentir, nem ao menos imaginar,
a batida no coração que elas provocam
Ser mãe é uma delas
Vibrar com isso não tem palavras, nem escritas, nem vistas e nem ditas

2 Comments:

  • At 10:28 AM, Blogger Dany Franco said…

    Ei! Tu vais participar do concurso de poesia da Casa de Cultura? Tem até o dia 17 para enviar o material!!! beijocas e saudades!!!

     
  • At 2:00 PM, Anonymous A. said…

    amor,

    quero estar ao teu lado dividindo cada momento da "nossa" barriguinha, do nosso Santiago.
    Estarei ao teu lado sempre.

    Te amo

     

Postar um comentário

<< Home